Mensagens de Mensagens de Saudade

A Dor Que Dói Mais

Trancar o dedo numa porta dói. Bater com o queixo no chão dói. Torcer o tornozelo dói. Um tapa, um soco, um pontapé, doem. Dói bater a cabeça na quina da mesa, dói morder a língua, dói cólica, cárie e pedra no rim. Mas o que mais dói é saudade.

Saudade de um irmão que mora longe. Saudade de uma cachoeira da infância. Saudade do gosto de uma fruta que não se encontra mais. Saudade do pai que já morreu. Saudade de um amigo imaginário que nunca existiu. Saudade de uma cidade. Saudade da gente mesmo, quando se tinha mais audácia e menos cabelos brancos. Doem essas saudades todas.

Mas a saudade mais dolorida é a saudade de quem se ama. Saudade da pele, do cheiro, dos beijos. Saudade da presença, e até da ausência consentida. Você podia ficar na sala e ele no quarto, sem se verem, mas sabiam-se lá. Você podia ir para o aeroporto e ele para o dentista, mas sabiam-se onde. Você podia ficar o dia sem vê-lo, ele o dia sem vê-la, mas sabiam-se amanhã. Mas quando o amor de um acaba, ao outro sobra uma saudade que ninguém sabe como deter.

Saudade é não saber. Não saber mais se ele continua se gripando no inverno. Não saber mais se ela continua clareando o cabelo. Não saber se ele ainda usa a camisa que você deu. Não saber se ela foi na consulta com o dermatologista como prometeu. Não saber se ele tem comido frango de padaria, se ela tem assistido as aulas de inglês, se ele aprendeu a entrar na Internet, se ela aprendeu a estacionar entre dois carros, se ele continua fumando Carlton, se ela continua preferindo Pepsi, se ele continua sorrindo, se ela continua dançando, se ele continua pescando, se ela continua lhe amando.

Saudade é não saber. Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento, não saber como frear as lágrimas diante de uma música, não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche.

Saudade é não querer saber. Não querer saber se ele está com outra, se ela está feliz, se ele está mais magro, se ela está mais bela. Saudade é nunca mais querer saber de quem se ama, e ainda assim, doer.

Saudade

Acho que dentre todos os meus sentimentos diários, a saudade é a maior das companheiras. Sinto saudade o tempo todo. Acho que isso é o que chamam de nostalgia. Sinto saudade do recreio da escola, da bagunça no fundo da sala e da biblioteca movimentada. Tenho saudade daquela fazenda, do cheiro de folha nova no meu livro favorito, do abraço da minha avó e da gargalhada da minha tia. Saudade do meu mega drive, dos domingos ensolarados no clube, do golzinho na rua de cima, da minha caixa de hominhos e do quebra-cabeças que nunca enjoei de montar. Tenho saudade daquele filme que eu sei as falas de cor ainda hoje, da piscina gelada, dos meus primos que cresceram e estão distantes, do meu irmão que não mora mais comigo, de ouvir a fita da minha banda favorita, daquela nossa viagem, do pé de goiaba, do meu amigo que foi morar em outro país e também daquele que mora bem do lado de casa. Sinto saudade do pão molhado no Toddy, da manga lambrecando toda a roupa, da minha cachorrinha correndo pelo quintal, do futebol na pracinha, do banho de chuva no fim de tarde e da casa na árvore. Tenho saudade de você que mora em outra cidade. Saudade do tempo que passamos juntos. Saudade também de pessoas que ainda estão por aqui, mas não são mais as mesmas. Saudade até mesmo do dia de ontem, que não aproveitei como deveria. Acho que no fundo tenho saudade de mim mesmo. Do que já fui, e que hoje não me permito mais ser. Mas reflito e concluo. A verdade me conforta. Infeliz aquele que não sente saudade.